OFFSEASON 2016 – Questões

imagesCAL6IR5V Chegamos àquele momento depois da temporada, quando os times começam a se repensar para o próximo campeonato. Novos jogadores serão contratados, alguns vindos de outras equipes após seus contratos terminarem, outros pelo DRAFT 2016. OFFSEASON, quando todo o tipo de intrigas, empolgações e decepções acontecem. Vamos a algumas datas importantes deste período:

  • 23 – 28 de FevereiroDRAFT COMBINE, onde os candidatos ao Draft são avaliados fisicamente, tecnicamente e mentalmente
  • 01 de MarçoDEADLINE para as equipes designarem seu jogador com a FRANCHISE TAG
  • 09 de Março: início do período de contratações dos jogadores livres (FREE AGENCY)
  • 28 - 30 de AbrilDRAFT 2016

Coloquei abaixo 8 histórias que vão dominar as notícias nas próximas semanas (ou já dominam), que particularmente me interessam:  

Administração do CAP

Assim como nos últimos anos, o SALARY CAP (teto máximo da folha salarial de cada time) subirá, desta vez substancialmente. Nem isto isentará alguns times de precisarem exercer algumas decisões difíceis para se ajustarem embaixo dele até o dia 09 de Março. Veremos vários desses times rompendo relações com veteranos de seus elencos. Os Lions por exemplo já se anteciparam e cortaram alguns jogadores como o Linebacker Stephen Tulloch. Entre os que estão mais atolados no SALARY CAP: Saints e Bills.

Será interessante também acompanhar a situação dos Bengals, que se não estão prensados contra a parede do CAP, possuem vários jogadores importantes entrando na FREE AGENCY, como os 2 Wide receivers Mohamed Sanu e Marvin Jones e 4 integrantes da linha secundária: Adam Jones (CB), Leon Hall (CB), Reggie Nelson (S) e George Iloka (S). Além disso seria interessante assegurar outros talentos que entram no ano final de contrato: Tyler Eiffert (TE), Giovani Bernard (RB) e Kevin Zeitler (G). Em contrapartida, algumas equipes estão bem posicionadas para investirem em reforços para seus elencos. Por exemplo: Jaguars, Raiders e Giants, Bears e 49ers. Uma forma de manter os atletas de destaque é o uso da FRANCHISE TAG, que permite um certo controle sobre as negociações via uma renovação automática de 1 ano com o valor médio dos 5 maiores contratos de cada posição. Alguns jogadores são fortes candidatos a receberem a FRANCHISE TAG:

  • Kirk Cousins (QB – Redskins)
  • Von Miller (OLB – Broncos)
  • Alshon Jeffery (WR – Bears)
  • Muhammad Wilkerson (DT – Jets)
  • Josh Norman (CB – Panthers)
  • Doug Martin (RB – Buccaneers)
  • Reggie Nelson ou George Iloka (S – Bengals)
  • Justin Tucker (K – Ravens)

clique aqui para uma projeção do CAP dos 32 times.  

É Hora de Pendurar as Chuteiras?

Já recebemos algumas notícias de aposentadorias neste início de OFFSEASON, como Jared Allen (DE - Chifes, Vikings, Bears e Panthers), Heath Miller (TE - Steelers), Justin Tuck (DE - Giants e Raiders) e Jerod Mayo (LB - Patriots).

Um certo mistério ainda ronda os três nomes mais expressivos que podem encerrar a carreira nos próximos dias. Logo no fim da temporada, Calvin Johnson (WR - Lions) ventilou a possibilidade. Poucas semanas depois confirmou a decisão. Porém será irreversível? O que aconteceria se um time estruturado na busca do título em 2016 desse uma cantada no fenomenal recebedor? Será que os Lions facilitariam sua saída em troca de alguma recompensa? Olho nele. Logo no SUPER BOWL, Marshawn Lynch (RB - Seahawks) colocou no twitter a imagem de suas chuteiras sobre um fio, aludindo sobre o que faria com a carreira. Recentemente ouvimos boatos de colegas em Seattle, como Richard Sherman (CB), dispostos a tentarem convencer BEAST MODE a mais uma temporada. Será que conseguem dobrá-lo? Acho difícil. Por fim, tudo indica que Peyton Manning (QB - Broncos) anunciará em breve o fim de uma das carreiras mais célebres da NFL. Seria o encerramento perfeito com o 2º anel de campeão no dedo. Mas e se alguém o convidasse para uma nova aventura? (Los Angeles? Houston?)

 

Participantes do Super Bowl

Times que chegam ao SUPER BOWL costumam ver uma supervalorização dos seus jogadores. Algumas peças chaves para o sucesso tiveram seus contratos expirados. Nenhum dos times está com a corda no pescoço, mas terão decisões importantes pela frente.

Denver, com aproximadamente US11 Milhões de folga no CAP, abriria quase US$20 Mi extras se Peyton confirmar a aposentadoria. Parte deste montante seria revertido para renovar o contrato de Brock Osweiller (QB). O quão avançado estaria as negociações com Von Miller (OLB) é o fator chave para os passos seguintes. Não pelo $$$$, mas pelo esforço gasto nas conversas. Seja num acordo muitimilionário ou com a FRANCHISE TAG, acabaria com a margem extra para os demais contratos. Entre os FREE AGENTsMalik Jackson (DT) e Danny Trevathan (LB) são peças fundamentais da incrível defesa que os Broncos montaram. Evan Mathis (G), um sólido membro da linha ofensiva. Nestas movimentações milionárias, os FREE AGENTs restritos (mencionados lá em cima) CJ Anderson (RB) e Brandon Marshall (LB) ficariam expostos a uma investida de outro time. O corte de alguns veteranos abriria espaço para acomodar as prioridades. Acho inevitável que Ryan Clady (OT), contundido em 2015, seja dispensado. Mas teriam coragem de mexer com um dos maiores contribuintes para o título: DeMarcus Ware (DE)? Quanto aos Panthers, a aposentadoria de Jared Allen os deixou beirando US$30 milhões à disposição. Terão mais fôlego para manter a base e buscar upgrades. A prioridade zero é manter Josh Norman (CB) no plantel, chegando a um acordo extensivo ou no uso da FRANCHISE TAG. Mike Tolbert (FB), Jericho Cotchery (WR) e Roman Harper (S) são alguns veteranos que, nas condições certas, podem ser trazidos de volta.  

Mercado para os PASS RUSHERS

Valores contratuais na FREE AGENCY são ditados por oferta e demanda de talentos disponíveis. Veremos o quanto isso vai impactar o mercado. É notória a propensão dos times a tentar recriar o modelo que o concorrente usou para vencer o SUPER BOWL. No caso de Denver, nada mais marcante do que emparelhar 2 PASS RUSHERs, atacando o Quarterback por lados opostos.

Alguns poucos nomes de peso entre os PASS RUSHERs estão livres para negociar com outros clubes, o que pode jogar a média salarial para a estratosfera. O contrato recente que pode estabelecer o teto e tendências salariais nessa posição é o de Justin Houston com os Chiefs. Claro que se chegarem a um acordo, o de Von Miller com os Broncos ultrapassará este valor. mas claro que existe a possibilidade real de colocarem a FRANCHISE TAG nele. Em qualquer um dos casos, não chegando ao mercado, ajudará a inflar ainda mais os números dos demais jogadores. Entre os nomes disponíveis estão jogadores que se encaixam em várias categorias: PS: não estou considerando jogadores do interior da linha como Malik Jackson (Broncos)   ótima performance em 2015:

  • Von Miller (Broncos)
  • Oliver Vernon (Dolphins)

outros a se considerar:

  • Mike Neal (Packers)
  • Andre Branch (Jaguars)
  • Robert Ayers (Giants)
  • Jason Pierre-Paul (Giants)
  • Bruce Irvin (Seahawks)
  • Derrick Shelby (Dolphins)
  • Courtney Upshaw (Ravens)
  • Wallace Gilbery (Bengals)
  • Jason Jones (Lions)
  • William Hayes (Rams)

veteranos que podem se beneficiar da demanda:

  • Dwight Freeney (Cardinals)
  • Chris Long (Rams)
  • Calvin Pace (Jets)
  • Jeremy Mincey (Cowboys)
  • Kroy Bierman (Falcons)

Sem contar com os atletas que trazem um efeito colateral negativo:

  • Greg Hardy (Cowboys)
  • Aldon Smith (Raiders)
  • Junior Galette (Redskins)

 

O Que é um Passe Completo?

Como falamos no último PODCAST REVIEW DA TEMPORADA, pareceu-nos que toda semana (ou todo jogo) tinha uma ou mais situações em que não conseguíamos chegar a conclusão definitiva se o passe foi completo ou não. Estas polêmicas tiram o foco da partida e colocam a arbitragem numa posição ruim, pois não existe marcação 100% consensual. Todas as decisões posteriores deles tornam-se também questionáveis.

Algo precisa ser feito com a linguagem da regra, que exigi o chamado FOOTBALL MOVE após o recebedor ter a bola nas mãos, para se caracterizar o passe completo. Mas o que significa isto? Nada e tudo. Desde passos à frente, a girar o corpo, etc. Concordo com a idéia de exigir do recebedor um controle evidente da bola, mas até que momento? No mínimo, os itens exigidos têm que ser melhor detalhados. A partir de 20 de Março, quando os donos e dirigentes dos times se encontram para discutir o esporte, este assunto tomará o palco principal das conversas. Um colateral caso se diminua as exigências para caracterizar o passe completo, será um aumento no número de FUMBLES. Isto é bom?  

Quarterback Shopping

Como sempre, o mercado de Quarterbacks é limitado. Jogadores de ponta nesta posição (quase) nunca ficam livres de fato.

Tudo indica que Washington aplicará a FRANCHISE TAG em Kirk Cousins, caso não cheguem a um acordo extensivo. Isto deixaria Sam Bradford (Eagles) e Brock Osweiller (Broncos) como os nomes livres mais interessantes. O primeiro assusta pela inconsistência e histórico de lesões. O segundo pela pouca exposição em campo. Ryan Fitzpatrick, que atuou melhor do que o esperado pelos Jets, deve acertar sua renovação antes da data que marca o início da FREE AGENCY. De qualquer forma, não seria alguém para se brigar às facas. Nesta altura, nomes como Brandon Weeden (Cowboys e Texans), Drew Stanton (Cardinals), Colt McCoy (Redskins) e Matt Moore (Dolphins) não são vistos como soluções de longo prazo. Apenas Quarterbacks que podem entrar emergencialmente e segurarem as pontas por um tempo limitado. Dois nomes que ainda podem levar apostas: Ryan Mallett (Ravens e Texans) e Chase Daniel (Chiefs). Veteranos que não devem gerar demanda:

  • Mike Vick (Steelers)
  • Mark Sanchez (Eagles)
  • Matt Cassel (Bills e Cowboys)
  • Matt Schaub (Ravens)

Outra situação a se monitorar são os possíveis jogadores dispensados de seus times. Robert Griffin III (Redskins) e Johnny Manziel (Browns) chegaram à NFL com toda a fanfarra, mas não realizaram seus potenciais. RG3 ainda pode se recolocar na liga. Apesar de estar a menos tempo, teria muito medo de adicionar Manziel a qualquer elenco. Colin Kaepernick pode chegar ao mercado se não acertar os ponteiros com os 49ers. Ele entra neste grupo de Quarterbacks frustrantes pelo não desenvolvimento, mas tem um currículo melhor do que os outros 2 mencionados. Outros 2 que podem entrar nesta mesma categoria: Geno Smith (Jets) e EJ Manuel (Bills). Ano passado, os Bears ofereceram Jay Cutler (Bears) a qualquer comprador. Será que a intenção mudou depois de uma temporada sólida? Outra via de reforços é por trocas. Mas quem estaria disponível e apresentou alguma amostra de serviço tentadora? Mike Glennon (Buccaneers)? Zach Mettenberger (Titans)? O último caminho será pelo Draft 2016. Discutiremos os candidatos vindos da liga universitária mais à frente.

 

Personagens do Draft: Jaylon Smith e Robert Nkemdiche

Começa o drama do DRAFT! Este ano não teremos 2 Quarterbacks no topo do processo como em 2015. Mas não signifaca menor interesse, pois há bastante jogadores talentosos para ser escolhidos no TOP 15-20.

Os 2 atletas que a princípio destacaria como mais interessantes no DRAFT trazem questões nebulosas para os interessados. Durante o BOWL GAME que participou pela Universidade Notre Dame, Jaylon Smith (LB) sofreu grave contusão no joelho. Ano passado vimos os Rams investirem uma escolha nr.10 geral em Todd Gurley (RB), também um talento superior recuperando-se de cirurgia no joelho. Porém o tipo de lesão de Smith é mais sério. Será que algum time o pescaria no 1º round?   Quando apareceu a notícia policial envolvendo Robert Nkemdiche (DT), GENERAL MANAGERs da NFL devem ter esmurrado as paredes de suas casas. Segundo a polícia, ele saltou da janela do 4º andar do hotel em que se hospedava em Atlanta. Encontraram drogas dentro da acomodação. Com este episódio no currículo, qual será o time que engolirá a seco, e escolherá no 1º round o mais disruptivo PASS RUSHER interno deste DRAFT?      

Comentar

Veja também: