Review - Draft 2015

  O consenso entre os analistas é que somente depois de pelo menos 3 anos dá para ter um diagnóstico mais apurado de quem aproveitou melhor suas escolhas no Draft. Jogadores podem começar bem e se contundir, ou cair de produção uma vez que os adversários passem a conhecê-lo melhor. Outros podem demorar mais um pouco para se desenvolverem fisicamente, ou se adaptar ao estilo de jogo da NFL. Abaixo coloquei alguns times que aparentemente fizeram boas escolhas, inserindo em campo seus atletas, e quem pouco tirou de sua classe. Não significa que o destino deles está traçado, mas pode ser um indício. Quais jogadores que contribuiram em suas equipes? Quem precisa abrir o olho?  

Bem Encaminhados

 

Los Angeles Rams

Todd Gurley (RB) não só recuperou-se fisicamente da cirurgia no joelho que assustava alguns times no processo de avaliação para o DRAFT, como ganhou o prêmio de calouro ofensivo do ano. Superou em muito as expectativas iniciais. Nos rounds seguintes selecionaram 4 jogadores para a linha ofensiva e deram experiência de campo para todos eles. Estão confortáveis o suficiente pra confiar em Rob Havenstein (RT) e Jamon Bown (RG) como titulares em 2016. Não se espantem, caso os Rams não consigam estabilizar a situação de Quarterback na OFFSEASON, em ver Sean Mannion (3º round) receber uma oportunidade de jogar, mesmo que ainda bem inexperiente.  

Oakland Raiders

Parece mentira, mas os Raiders colocaram em campo, pelo 2º ano consecutivo, uma das melhores classes de calouros da liga. A começar por Amari Cooper (WR), que teve um início fulguroso. Se não tivesse desacelerado um pouco na 2ª metade do campeonato, poderia ter batido Gurley no prêmio de melhor calouro 2015. Tudo aponta para um frutuosa parceria com Derek Carr (QB) por anos a fio. Não parou por aí. No ataque vimos contribuições de Clive Walford (TE) e Jon Feliciano (G), que brigará por uma vaga na linha ofensiva titular de 2016. Pela defesa, Mario Edwards (DE) mostrou uma qualidade maior do que eu projetava no processo pré-Draft. Ben Heeney (LB), este eu falei bem antes do DRAFT, também participou da campanha, acumulando 549 SNAPs.  

Tampa bay Buccaneers

Quando um time seleciona Quarterback na 1ª escolha geral do DRAFT, bate um misto de excitação e medo. Euforia pela chance de ter um jogador especial na posição mais importante do esporte e temor pelo fracasso deste jogador. O talento de Jameis Winston (QB) nunca foi o fator questionado, e ele comprovou em campo o potencial técnico. Agora resta torcer e dar suporte para que mantenha a cabeça no lugar e tenha uma carreira estável. No 2º round investiram em 2 jogadores para a linha ofensiva, que logo de início foram titulares: Donovan Smith (LT) e Ali Marpet (RG). Boa surpresa foi o Linebacker Kwon Alexander. Cometeu erros de posicionamento, mas encantou com a velocidade e espírito competitivo. Infelizmente ele perderá os 4 jogos iniciais de 2016 por suspensão.  

Washington Redskins

As 4 escolhas iniciais tiveram impacto em campo. Brandon Scherff (G) mostrou indícios do atleta dominante que tanta gente identificou no processo pré-Draft. Preston Smith (OLB) teve performances impressionantes na reta final do campeonato. Para impulsionar o ataque, Matt Jones demonstrou habilidade para assumir o porto de Running back principal e Jamison Crowder (WR) rapidamente assumiu a função do SLOT.  

Minnesota Vikings

Mesmo sem uma contribuição expressiva de sua escolha no round 1, os Vikings buscaram outros 5 jogadores que foram peças funcionais na campanha até os PLAYOFFs. Imediatamente Eric Kendricks (LB) assumiu um papel até de liderança na unidade defensiva. Ainda na defesa, Danielle Hunter (DE) pode se transformar num PASS RUSHER perigoso. TJ Clemmings foi forçado à unidade principal da linha ofensiva. Se não jogou tão bem, ao menos acumulou experiência para a sequência da carreira. Atuou como Guard, mas o vejo migrando para Offensive Tackle em breve. MyCole Pruitt (TE) esteve em campo o suficiente para ganhar espaço em 2016. Muitos times retiraram Stefon Diggs (WR) do BIG BOARD por ser um tanto problemático. No 5º round, os Vikings arriscaram sua escolha e devem estar satisfeitos. Não falta-lhe talento para rotas longas ou avanço de jardas após o passe completo.  

Houston Texans

Outro time que tirou contribuições de pelo menos 5 jogadores rumo aos PLAYOFFs. Cornerback selecionado no 1º round, Kevin Johnson confirmou as boas avaliações recebidas. Benardrick McKinney (ILB) também conquistou vaga de titular e causou boa impressão. Os demais que mencionei tiveram maior impacto em SPECIAL TEAMS:  Keith Mumphery (WR) retornando chutes e Chistian Covington (DT) tentando bloquear FIELD GOALS.  

 

Preocupados

 

Dallas Cowboys

O temor de todos se realizou, Randy Gregory (DE) foi novamente flagrado por uso de substâncias proibidas e perderá parte do campeonato por suspensão. Em seu primeiro ano, ele participou menos do que o desejado por contusão (268 SNAPs). Com a notória exceção de Byron Jones (CB - 1º round), que jogou muito bem, nenhum outro jogador da classe ocupou espaço relevante.  

San Diego Chargers

Os Chargers não precisam chorar a classe de calouros (ainda) pois tiveram contribuições esporádicas de jogadores, e boa performance de Denzel Perryman, Linebacker promissor. Porém o desapontamento com a escolha de 1º round Melvin Gordon (RB) é palpável. Não só as estatísticas foram baixas (641 jardas com média de 3.5 por tentativa e 0 TDs), como a participação foi fraca. Lembro que Running back está entre as posições em que o impacto inicial é mais rápido. Se ainda é cedo para determinar o destino dele, o histórico de RBs vindos da Universidade de Wisconsin com toda a pompa, que naufragam na NFL é extenso.  

Indianapolis Colts

Contusões limitaram a participação dos escolhidos nos 3 primeiros rounds: Phillip Dorsett (WR), D'Joun Smith (CB) e Henry Anderson (DE). Este último chegou até a ter bons momentos no campeonato ates de machucar o joelho e ser operado. As maiores contribuições vieram das escolhas seguintes: Clifton Geathers (S) e David Parry (DT). Se aqueles jogadores superarem as lesões, num futuro review esta classe pode até passar para a coluna positiva.  

Baltimore Ravens

Contusão também foi tema em Baltimore, onde a escolha do 1º round Breshad Perriman (WR) nem entrou em campo na temporada. Alguns bons momentos de Maxx Williams (TE), Buc Allen (RB) e Za'Darius Smith (OLB) não apagaram a frustração, ou deixaram o time competitivo. Quem apareceu bem foi o Tight End Nick Boyle, porém, flagrado no anti-doping, recebeu uma suspensão da NFL para 2016.  

Pittsburgh Steelers

Pittsburgh investiu na linha secundária no DRAFT 2015 com pouco retorno inicial. Sanquez Golson (CB - 2º round) machucou-se; Doran Grant (CB - 4º round) viveu mais no PRACTICE SQUAD; Gerold Holliman (S - 7º round) cortado. Ou seja, deverão olhar novamente para esta unidade em 2016. Mixed reviews sobre Sammie Coates (WR - 3º round). Inicialmente críticas quanto a participação nos treinamentos, mas quando entrou em campo durante os PLAYOFFs, teve boa atuação. Bud Dupree (OB - 1º round) e Jesse James (TE - 5º round) não brilharam, mas mostraram potencial.  

   

Comentar

Veja também: